Fuga à francesa

Imagem de girl, photography, and hair

O amor não é cego, pelo contrário o AMOR VER.

  Como começar? Pelo começo, e qual é o começo? Um sim! Sim, voltamos a usar essa plataforma para nos comunicarmos com vocês, sim, é mais uma tentativa, e sim ainda não conseguimos permanecer com essas postagens, mas é um novo (re)começo. Pelo menos uma tentativa. Começar pelo “SIM” não foi uma mera coincidência, é um inicio de um livro da Clarice Lispector, bastante conhecido até “A hora da Estrela”, e hoje faremos uma leitura dele em comparação a música de Crombie – “Fuga”, passeando pela Bíblia. Vamos a nossa dor no estômago?

  A História de Clarice trabalha com o narrador Rodrigo S.M, ele seria um clássico escritor enclausurado em seu escritório, fissurado em seu mundo – a partir de um imaginário o mundo dele é burguês, tendo tudo, e perdido em suas preocupações, muitas vezes supérfluas. Até que um dia, Rodrigo S.M, ver uma nordestina e é automaticamente transpassado por aquela mulher sem vida, sem cor, sem consciência sobre sua existência, está é Macabeia a protagonista da “A Hora da Estrela” e por mais que ele não queira escrever, há um grito a ser dado, a nordestina é uma dor de dente – desconcertante, que desconcentra e não tem como ignorar. Aquela história não podia ser mais ignorada, aquele mundo de Macabeia – miserável, marginal, e sem concepção sobre futuro – tinha atravessado o mundo do escritor – que permanecia naquela posição de artista que só contempla, e nada faz  fazendo dele não mais o mesmo. Isso me faz retornar a Crombie.

  Na música – maravilhosa! – de Crombie fala de alguém que se perde no trabalho e vai perdendo a sensibilidade pelo outro, tem um ponto de vista distante sob a dor do próximo, mas sempre diz qualquer coisa como consolo – para também não sair da história como sem coração – nunca deixa a história do outro o atravessar. seja de alegria ou de tristeza, pois sabe que não vai dormir direito depois disso, ficará igual ao Rodrigo S.M, obcecado e necessitado de falar a história, apaixonado por Macabeia, e é válido lembrar que isso é tão natural que não há sequer dor na consciência. A história, também, não o atravessa devido à automatização do sujeito, que tem a visão tão fechada que só ver o seu mundo, e claro, pela Fuga ocasionada por si mesmo. É vaidade, é luxuoso, é tapar os ouvidos para os discursos contemporâneos: “Não me interesso por quem me diz que nessa vida nem tudo é flor, desde o começo como eu sempre quis”, discursos esses que não são novos – pois nada é novo abaixo do céu – é bem velho, é o amar ao próximo como se fosse o outro. É fechar os olhos, há uma fuga  quando ignoramos os nossos olhares para todos que passam por nós 24 horas, dizem que o amor é cego, mas é exatamente o contrário: o amor ver.


  Queria muito discursar e falar sobre o meu nó, o meu grito, no entanto repetirei as palavras de Rodrigo S.M, esse texto é uma pergunta, uma interrogação, um silêncio. O nosso silêncio. E ouso repeti-lo mais uma vez, eu sei que é assustador sair de si mesmo, mas tudo que é novo assusta. Contudo o amor lança fora todo medo. Há Macabeias por aí, estrangeiras em nosso mundo, prontas para te atravessar, te olhar nos olhos e te matar. Eu quero ser morta ao sair de casa, eu quero ser morta e permanecer logo após viva: porque a vida é uma dor no estômago. Não são tempos de morangos, não são tempos bons, são os últimos tempos e tudo que eu quero é morrer por Macabeia e viver com a dor no estômago. Eu quero gritar de dor, a minha dor e a dor que se fez minha, assim como a minha dor se fez nEle naquela Cruz.

 “Depois disse a todos: – Se alguém quer ser meu seguidor, que esqueça os seus próprios interesses, esteja pronto cada dia para morrer como eu vou morrer e me acompanhe. Pois quem põe os seus próprios interesses em primeiro lugar nunca terá a vida verdadeira; mas quem esquece a si mesmo por minha causa terá a vida verdadeira. O que adianta alguém ganhar o mundo inteiro, mas perder a vida verdadeira e ser destruído? ” LUCAS 9:23 versão NTLH.
 - Obrigada Espírito Santo - 

Quer continuar a conversa? 
Comenta aí embaixo ou entra em contato com a gente na aba acima! 

Nicole de Antunes

Nascida em 1995, estudante de Letras, me perco em versos, me perco no horário, me perco na música, mas me acho em Deus. Baiana, e depois de ver tantos mares profundos busca agora sair do raso em sua vida. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários passam por um sistema de moderação, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.
- comentários com palavrões ou ofensas não serão aceitos;
- as criticas construtivas são sempre bem vindas;
- caso queira deixar o link para seu blog, fique a vontade.

Instagram